Fala Guarulhos

Se ligue nos links (20 de abril)

Por: , 20 de abril de 2019 às 06:00 | Em
  • G1
  • Internacional
  • Notícias
  • O secretário deJustiça dos EUA, William Barr, fala sobre o relatório do procurador-especial Robert Mueller, nesta quinta-feira (18/4) — Foto: Win McNamee/Getty Images/AFP 1) O Relatório Mueller, resultado da investigação […]

    O secretário deJustiça dos EUA, William Barr, fala sobre o relatório do procurador-especial Robert Mueller, nesta quinta-feira (18/4) — Foto: Win McNamee/Getty Images/AFP O secretário deJustiça dos EUA, William Barr, fala sobre o relatório do procurador-especial Robert Mueller, nesta quinta-feira (18/4) — Foto: Win McNamee/Getty Images/AFP

    O secretário deJustiça dos EUA, William Barr, fala sobre o relatório do procurador-especial Robert Mueller, nesta quinta-feira (18/4) — Foto: Win McNamee/Getty Images/AFP

    1) O Relatório Mueller, resultado da investigação do procurador-especial Robert Mueller sobre a interferência russa nas eleições de 2016, está disponível, com as supressões impostas pelo Departamento de Justiça, em formato compatível com buscas no New York Times. O Times e o Washington Post publicaram versões interativas que analisam o conteúdo do documento. No Times, Matt Apuzzo e Adam Goldman extraem as sete principais conclusões do relatório e Charlie Savage compara o produto final às citações divulgadas anteriormente pelo secretário de Justiça, William Barr.

    2) No BuzzFeed, Ryan Broderick revela os detalhes de como os trolls russos usaram as redes sociais para interferir nas eleições. Na New Yorker, Susan Glasser argumenta que, embora a investigação não tenha encontrado provas de crimes cometidos pelo presidente Donald Trump, as conclusões são péssimas para ele. No Post, Paul Farhí mostra que as notícias falsas na investigação vieram não da imprensa profissional, mas de Trump e seus aliados. Ainda no Post, Greg Miller aponta o presidente russo, Vladimir Putin, como maior vitorioso com a confusão.

    3) Na National Review, David French afirma que as conclusões do relatório são chocantes. Também na National Review, Andrew McCarthy defende o secretário Barr e afirma que não há, nas dez instâncias analisadas no relatório, motivo concreto para acusar Trump de obstrução de Justiça. A National Review argumenta em editorial que esse tipo de investigação acaba resultando apenas em conflitos políticos e perda de tempo. Na Fox News, Sean Hannity apresenta a versão dos defensores de Trump. Na Atlantic, Paul Starr explica por que a reeleição dele ainda é o cenário mais provável nas eleições do ano que vem.

    Bombeiros tentam conter incêndio na Catedral de Notre-Dame, em Paris, na segunda-feira (15/4) — Foto: AP Photo/Michel EulerBombeiros tentam conter incêndio na Catedral de Notre-Dame, em Paris, na segunda-feira (15/4) — Foto: AP Photo/Michel Euler

    Bombeiros tentam conter incêndio na Catedral de Notre-Dame, em Paris, na segunda-feira (15/4) — Foto: AP Photo/Michel Euler

    4) O Monde apresenta oito fatos pouco conhecidos sobre a Catedral de Notre-Dame, que pegou fogo nesta semana. A FranceInfo explica por que teria sido pior tentar apagar o fogo lançando água em grandes quantidades de aviões ou helicópteros. O Parisien mostra como drones ajudaram os bombeiros a deter o incêndio. O Monde explica ainda como os modelos tridimensionais poderão ajudar na reconstrução da catedral, em especial as imagens feitas por um acadêmico americano que morreu no final do ano passado, cujo trabalho é descrito na Atlantic. O Post discute como a tecnologia ajudará na restauração. Na Foreign Policy, a historiadora Caroline Bruzelius, autora de um estudo minucioso sobre a construção da catedral, afirma que os trabalhos de restauração deverão levar no mínimo dez anos. No Monde, o arquiteto Benjamin Mouton defede uma restauração fiel ao original e à tradição dos artesãos franceses. Também no Monde, uma reportagem de Jean-Jacques Larrochelle discute os dilemas que a reconstrução da catedral enfrentará. Embora o incêndio de Notre-Dame tenha sido aparentemente acidental, a Newsweek noticiou no início do ano uma alta de 25% nos ataques a templos católicos na França.

    5) No Post, Amber Philips explica a popularidade de Pete Buttigieg, o prefeito de South Bend, Indiana, que se tornou um azarão nas prévias do Partido Democrata. No Hill, Jonathan Easley noticia em primeira mão as gravações secretas cuja revelação poderá interromper a ascensão meteórica de Buttigieg.

    O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, ao ser preso na embaixada do Equador em Londres, no dia 11/4 — Foto: Reprodução/RUPTLYO fundador do WikiLeaks, Julian Assange, ao ser preso na embaixada do Equador em Londres, no dia 11/4 — Foto: Reprodução/RUPTLY

    O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, ao ser preso na embaixada do Equador em Londres, no dia 11/4 — Foto: Reprodução/RUPTLY

    6) No Politics, Steve Peers conta como o Brexit atrapalha a extradição do fundador do Wikileaks, Julian Assange, preso no Reino Unido.

    7) Levantamento do OpenDemocracy constata que grupos conservadores religiosos americanos destinaram nos últimos anos quase US$ 52 milhões para financiar extremistas de direita na Europa.

    8) No Zeit, Beda Magyar (pseudônimo de um acadêmico húngaro) conta como o governo de Vikton Orbán está destruindo as instituições democráticas e o Judiciário na Hungria.

    Jovens homenageiam os combatentes do Levante do Gueto de Varsóvia em 2018 — Foto: Czarek Sokolowski/ APJovens homenageiam os combatentes do Levante do Gueto de Varsóvia em 2018 — Foto: Czarek Sokolowski/ AP

    Jovens homenageiam os combatentes do Levante do Gueto de Varsóvia em 2018 — Foto: Czarek Sokolowski/ AP

    9) Uma pesquisa divulgada pelo site europeu Vox, ligado ao Centro de Pesquisa em Política Econômica (CEPR), conta como a crise financeira induziu a votação em partidos de direita no período Entre-Guerras e abriu o caminho para a ascensão dos nazistas na Alemanha. O Polin, museu judaico de Varsóvia, narra a história do Levante do Gueto de 1943, cujo aniversário é lembrado em 19 de abril. No Página 12, Guillermo Levy discute os usos e abusos da revolta. Também no Página 12, Rudy e Eliahu Toker descrevem o humor na resistência judaica.

    10) O Post desvenda a história do paciente zero da epidemia de sarampo na comunidade de judeus ortodoxos em Nova York. Na Tablet, Toni Kamins revela a reação das lideranças comunitárias à obrigatoriedade de aplicar a vacina.

    Sabrina Bittecourt é uma ativista que ajudou nas denúncias contra João de Deus em Goiás — Foto: Aquivo pessoalSabrina Bittecourt é uma ativista que ajudou nas denúncias contra João de Deus em Goiás — Foto: Aquivo pessoal

    Sabrina Bittecourt é uma ativista que ajudou nas denúncias contra João de Deus em Goiás — Foto: Aquivo pessoal

    11) Na Columbia Journalism Review, Isabela Dias discute o sumiço enigmático e o suicídio atribuído a Sabrina Bittencourt, ativista que denunciou os crimes do curandeiro João de Deus.

    12) No Guardian, uma reportagem publicada por Simon Parkin em 2015 narra a morte misteriosa do egípcio Ashraf Marwan, genro do presidente Gamal Abdel Nasser e tema de documentário lançado neste ano, visto por uns como traidor, por ter espionado para Israel, por outros como heroi, por ter ludibriado o Mossad às vésperas da Guerra do Yom Kippur.

    13) Também no Guardian, Tahmima Anam conta como lidou por cinco anos com um filho que se recusava a comer.

    14) No Quillette, Matthew Lesh resenha o livro de Arthur Brooks que defende o amor e a civilidade com os inimigos como antídoto para o ódio e a polarização difundidos pelas redes sociais.

    A escritora italiana Igiaba Scego durante debate na Flip 2018 — Foto: Walter Craveiro/DivulgaçãoA escritora italiana Igiaba Scego durante debate na Flip 2018 — Foto: Walter Craveiro/Divulgação

    A escritora italiana Igiaba Scego durante debate na Flip 2018 — Foto: Walter Craveiro/Divulgação

    15) Na New York Review of Books (NYRB), a escritora Jhumpa Lahiri resenha o romance Oltre Babilonia (Para além da Babilônia), da ítalo-somaliana Igiaba Scego. Também na NYRB, Boyd Tonkin decifra a importância da temporada em Londres na carreira de Vincent Van Gogh.

     — Foto: Arte/G1 — Foto: Arte/G1

    — Foto: Arte/G1

    G1