Fala Guarulhos

Penúltimo episódio da série | Última guerra de Game of Thrones tem mortes e desfecho trágico

Por: , 12 de maio de 2019 às 23:41 | Em
  • Brasil
  • Notícias
  • Uol
  • ATENÇÃO: O texto abaixo contém spoilers de “Game of Thrones”. Não leia se não quiser saber o que acontece. Depois da Grande Guerra (contra os mortos), “Game of Thrones” guardou […]

    ATENÇÃO: O texto abaixo contém spoilers de “Game of Thrones”. Não leia se não quiser saber o que acontece.

    Depois da Grande Guerra (contra os mortos), “Game of Thrones” guardou para seu penúltimo episódio a sua Última Guerra: o embate entre a forças de Cersei Lannister (Lena Headey) e Daenerys Targaryen (Emilia Clarke), tendo como troféu o Trono de Ferro e o domínio dos Sete Reinos. O resultado, claro, foi um capítulo puramente trágico.

    Dirigido por Miguel Sapochnik, o mesmo da Batalha de Winterfell, o episódio contou com a despedida de muitos personagens que nos acompanhavam desde o início da série, incluindo Cersei e Jaime (Nikolaj Coster-Waldau), e mostrou Daenerys cedendo aos seus piores impulsos em um ataque brutal sobre Porto Real, vitimando milhares de inocentes.

    Quem se foi

    Antes de relatar como tudo aconteceu, vamos listar abaixo as principais mortes do episódio:

    • Varys (Conleith Hill), condenado por Daenerys por traição
    • Cersei e Jaime, soterrados sob os escombros da Fortaleza Vermelha
    • Euron (Pilou Asbaek), ferido por Jaime
    • Cão de Caça (Rory McCann) e Montanha (Hafthor Julius Bjornsson), que caíram da Fortaleza direto para o fogo após um embate

    A traição de Varys

    O Mestre dos Sussurros apareceu logo na primeira cena do episódio, escrevendo uma carta — para um destinatário desconhecido — em que informava que Jon Snow era o legítimo herdeiro do Trono de Ferro. Pouco depois, ao recepcionar o Protetor do Norte em Pedra do Dragão, Varys tentou convencê-lo a se tornar rei, evocando um antigo ditado já dito na série por Cersei: “Toda vez que um Targaryen nasce, os deuses jogam uma moeda”. Jon, claro, se recusou, reafirmando que Daenerys é sua rainha e que ele nunca quis ser rei.

    A conversa foi presenciada, de longe, por Tyrion (Peter Dinklage), que decidiu informar a Daenerys da traição do conselheiro. Abatida e despenteada, ela recebeu sem surpresas a notícia e logo apontou Jon Snow como o culpado, visto que ele, contrariando os desejos dela, contou sobre sua real paternidade a Sansa (Sophie Turner), que a revelou a Tyrion, que por fim passou a informação a Varys. A Mãe dos Dragões chamou a atenção de Tyrion por não tê-la procurado logo que soube da notícia.

    Pouco depois, Varys foi buscado por Verme Cinzento (Jacob Anderson) em seus aposentos — não sem antes queimar uma carta e tirar seus dois anéis. Levado à praia, ele foi recepcionado por Tyrion, que assumiu ter revelado a traição a Daenerys. “Adeus, velho amigo”, despediu-se Varys. Ele morreu queimado por uma rajada de Drogon.

    Daenerys empurrada à loucura

    Abalada pelas perdas de Rhaegal, Missandei (Nathalie Emmanuel) e Jorah (Iain Glen), Daenerys foi aos poucos sendo envolvida pela loucura no episódio, confirmando uma antiga teoria dos fãs da série.

    Em uma conversa com Jon Snow após a execução de Varys, a Mãe dos Dragões disse que não era amada em Westeros, só temida. “Eu amo você. Você é a minha rainha”, respondeu Jon. “É só isso que sou, sua rainha?”, perguntou Dany. Os dois compartilharam um beijo cheio de tensão, e Jon seguiu sem responder. “Então será medo”, sentenciou a rainha.