Fala Guarulhos

Pai de um transexual | ‘Ignorante acha mais seguro continuar ignorante’, diz M. Tas

Por: , 12 de maio de 2019 às 23:56 | Em
  • Brasil
  • Notícias
  • Uol
  • “Recentemente, recebi o cargo mais honroso que eu já poderia ter alcançado”, orgulha-se o apresentador e humorista Marcelo Tas. “Ganhei um título honorário do Mães pela Diversidade. Vou desfilar no […]

    “Recentemente, recebi o cargo mais honroso que eu já poderia ter alcançado”, orgulha-se o apresentador e humorista Marcelo Tas. “Ganhei um título honorário do Mães pela Diversidade. Vou desfilar no carro que abre a Parada Gay de São Paulo.”

    Pai de Luc, um homem transexual, Tas diz temer a ignorância. “O ignorante acha que é mais seguro continuar ignorante. Ele tem medo do desconhecido. E é por ver o quanto os gays podem sofrer que eu prezo tanto também a liberdade do jornalista, a liberdade de expressão”.

    Na época em que a Emenda Dante de Oliveira estava prestes a ser votada, Tas foi levado junto com o cineasta Fernando Meirelles por militares a uma sala de interrogatório no aeroporto de Brasília. “Nos deram um sufoquinho”, relembra, antes de corrigir: “Aliás, aquilo lá foi um esculacho. Essa é a palavra certa. Gritavam ‘Seus moleques! Tão pensando o que em fazer isso aqui!?’. Meio que para dar aquela aterrorizada”. Na época, Tas e Meirelles davam vida ao personagem Ernesto Varela, um repórter que fazia perguntas que constrangiam os políticos.

    “Mas veja bem: vivíamos fazendo aquilo no Congresso em um regime ditatorial, quando havia censura e repressão. E a gente não apanhou em nenhum momento. Processo? Também nunca. E agora, durante o período democrático, vi repórteres do ‘CQC’ sendo agredidos. E, infelizmente, acho que o Varela, hoje, seria muito processado.”  

    Há algumas semanas, o jornalista apareceu nos noticiários após vencer uma ação movida por Jair Bolsonaro (PSL). O presidente pediu à Justiça de São Paulo que o apresentador o indenizasse, por tê-lo chamado de racista, preconceituoso e homofóbico em 2017.

    “Há uma máquina de processos vindos de Brasília. É que é muito fácil: há uma diferença assimétrica muito grande entre os dois lados”, afirma. “O Bolsonaro, como fazem outros políticos, usou recursos públicos que vieram do seu gabinete para processar um comunicador que teve que pegar seus recursos e correr atrás de um advogado. Ele se deu mal porque eu tenho esses recursos. E quem não tem? Quem não tem acaba intimidado, censurado.”

    A ação de Bolsonaro foi motivada por uma entrevista de Tas ao canal do jornalista Rica Perrone, publicada no YouTube em julho de 2017. Na ocasião, o entrevistado afirmou que “o Bolsonaro é racista, é preconceituoso, é homofóbico”. Mas não deixou de dizer que tinha respeito por ele ser, na época, deputado federal.

    No processo, o agora presidente pedia indenização de R$ 20 mil e que a Justiça obrigasse o comunicador a não repetir os adjetivos para se referir a ele. A multa pelo descumprimento poderia ser uma diária de R$ 10 mil. 

    “Acho uma atitude muito covarde. Isso não acontece em países em que os políticos apanham da imprensa muito mais até, como nos Estados Unidos, na Inglaterra, na Alemanha e na França”, comenta.

    “Perdemos totalmente a visão do que significa processar. Hoje, processar, para mim, está virando ‘eu vou te calar’. Falta diálogo, debate. Só há ataques. Se você entrar no meu Twitter, os seguidores do Bolsonaro enchem minhas mensagens dizendo ‘vou te processar’. É o que acontece na rede social. Só há ataques e nenhum diálogo.”

    À frente da nova versão do “Provocações”, que estreia na próxima terça-feira (14), na TV Cultura, Tas vai expor os “haters” na abertura do primeiro programa. “Espero que se sintam provocados”, diz.

    Em uma cena de ficção, o jornalista estará no banco de trás de um carro escrevendo no Twitter. Inicialmente, empolga-se com a repercussão da notícia de que ele substituiria Antônio Abujamra, morto em 2015, no programa. “Vai ser incrível!”, “Marcelo #Tasbujamra!”, dizem as primeiras mensagens exibidas na tela. 

    Mas, em seguida, o anticlímax chega com nomes e fotos de perfis identificados: “O legado de Abujamra não merecia esse golpe”, “boquinha na TV pública, né @MarceloTas?!”, “Abu revira no túmulo!”, “Sacrilégio!!! Deixa o Abu em paz!!!”. 

    “Que bosta!”, ironiza então o jornalista. Ainda na cena de ficção, Tas chega à sede da emissora, olha para a câmera e cita o antecessor. “Eu aprendi uma coisa fundamental com Antônio Abujamra: o que é a vida? A vida é minha e eu estrago ela como eu quiser.” Termina a cena.

    “Eu entrei no Twitter em 2007, então a palavra ‘hater’ pra mim é segunda-feira. Eu conheço a covardia deles”, comenta. “Na hora em que você chama o ‘hater’ pelo nome, ele fica apaixonado por você.”

    “Não devo explicação nenhuma para esses caras. Tive uma relação íntima com o Abu, de falar da vida, dos filhos. E faço questão de homenagear o legado. Estou continuando algo que foi criado por ele. Só que, a partir daqui, tá comigo. Eu topei, agora o programa é meu. Foda-se.”

    Tas não entrou na vida adulta com a ideia de seguir a carreira de comunicador. “Foi o maior desgosto do meu avô. Para ele, eu fiz a escolha errada. Ele queria que eu fosse, veja só, para Goiás ser político como ele, que foi prefeito três vezes de Ituverava.”

    Acabou escolhendo, naquele momento, cursar engenharia civil na USP. “Mas, olha, ali eu tive uma fase difícil. Sinceramente, o suicídio chegou a ser uma opção”, lembra. “Eu não entendia o que eu estava fazendo ali. Até que eu entrei para um jornal chamado ‘Cê-Viu’, escrito por estudantes do meu curso. A partir daí, eu me senti aceito por uma tribo com a qual me identificava. E minha vida ganhou sentido.”

    Neste ano, aceitou a proposta da TV Cultura porque chega à casa dos 60, maioridade exigida para assumir um programa como o “Provocações”, segundo ele. Justifica a teoria relembrando a trajetória marcada por momentos importantes, como Ernesto Varela, Professor Tibúrcio, Telekid e “CQC”.

    Também topou por poder gravar previamente os programas, e em São Paulo. “Percebi que, somando ‘CQC’ e ‘Papo de Segunda’, fiquei fazendo televisão ao vivo por dez anos. Tem gente que acha que isso é fácil”, diz. 

    “Estava preso à grade de programação, mas consegui me libertar. Hoje me colocarem dentro de um avião é quase impossível. Tenho dito não para muitos convites. Sempre com muito respeito, é claro. Mas nunca tive tanto tempo para cuidar da minha saúde”, conta.

    Tas, desde abril, também apresenta o reality “Batalha Makers Brasil”, no Discovery Channel. Na competição, os participantes constroem invenções em um laboratório a partir de técnicas de marcenaria, tecelagem e robótica. 

    Quando não está no ar, o jornalista mergulha em projetos —quase todos envolvendo gravações de cursos sobre comunicação e tecnologia— que nascem dentro da produtora Supernormal, da qual é sócio com a atriz e esposa Bel Kowarick. “Mas tudo isso converge à minha política de cuidar do tempo.

    “A Bel, que é minha parceiraça, está em cartaz desde 2017. E eu virei o dono da casa. Eu sou o cara que vê se as crianças acordaram, se foram para a escola, vou à reunião de pais. Preciso de tempo para isso, e não aceitaria fazer nas coxas”, afirma.

    Foi nesse momento que atendeu uma ligação de Bel: “Oiê. Estamos aqui finalizando, viu? Tá. Sem problemas. Vou com você. Beijo!”. Do outro lado da linha, ela o convidava para jantar antes de buscar a filha Clarice na escola.