Fala Guarulhos

Boghossian | Ministro fabrica ameaça de greve em tempo recorde

Por: , 12 de maio de 2019 às 22:09 | Em
  • Brasil
  • Notícias
  • Uol
  • Ao ouvir os planos desvairados de Abraham Weintraub para as universidades, um político calejado perguntou se ele não temia greves e protestos. O ministro respondeu que conhecia o risco de […]

    Ao ouvir os planos desvairados de Abraham Weintraub para as universidades, um político calejado perguntou se ele não temia greves e protestos. O ministro respondeu que conhecia o risco de paralisações, mas não deu bola e disse que estava preparado para enfrentá-las.

    O governo Jair Bolsonaro serviu um coquetel inflamável a alunos e professores. O novo ministro da Educação adotou como idioma oficial um discurso de retaliação política, fez ameaças à autonomia das instituições e escolheu a tática do confronto para anunciar bloqueios no orçamento da área.

    Weintraub transformou em propaganda ideológica aquilo que deveria ser um congelamento de despesas duro, mas relativamente comum. Ao contingenciar 30% da verba não obrigatória, o ministro disse que puniria universidades que promovessem “balbúrdia”.

    A pasta levou uma semana para corrigir o disparate. Primeiro, Weintraub estendeu o corte a todas as instituições. Depois, saiu a público com chocolatinhos e sua conhecida expressão de injustiçado para explicar que o congelamento representava só 3,4% do orçamento.

    O ministro parece disposto a fermentar uma oposição entre o governo e os campi. Ele cortou bolsas de pesquisa, apresentou a intenção de interferir no financiamento de ciências humanas e indicou que não respeitará a tradição de nomear para reitorias os primeiros colocados das eleições internas das universidades.

    Como resposta, professores ameaçam parar e estudantes planejam manifestações. Interessado no embate, o governo deve reagir com uma política de desocupação de prédios públicos e corte de salários.

    A autoconfiança costuma trair governantes nessa área. FHC enfrentou duas greves de mais de cem dias ao ignorar reivindicações de professores e atropelar a escolha de reitores. Em 2012, Dilma Rousseff deu de ombros para uma paralisação parcial e corriqueira. O movimento se expandiu para 58 das 59 universidades federais e durou quatro meses.